terça-feira, 5 de novembro de 2013

«Escritos e parábolas sobre a Paz», por Jean Yves Leloup

Um contributo da tradição judaico-cristã ... dá que pensar nos tempos que correm ...

http://www.jeanyvesleloup.com/br/texte.php?type_txt=0&ref_txt=112

« (...) Mas Jesus precisa que a “Sua paz, Ele não a dá como o mundo a dá”.  Ela não é um tranqüilizante, um sedativo, que livraria os humanos das provações e das contradições do Real.Jesus inscreve-se assim na linhagem dos antigos profetas que denunciam “as falsas pazes” e as falsas seguranças que são buscadas em outro lugar e não n’ “Aquele que era, que é e que será”, seu fundamento – aí estão as pazes ilusórias e mentirosas e ele vem nos libertar das nossas ilusões e das nossas mentiras.
Estar em paz é não ser parvo,  [nem] acreditar-se invulnerável.  O Dom da paz supõe uma metanóia
, uma transformação da sua vida e da sua maneira de ser e de pensar; Miquéias, Jeremias denunciava assim os falsos profetas que têm apenas a palavra “paz” na sua boca e a ambição e outras vontades de poder no coração: “Eles curam superficialmente a chaga do meu povo dizendo “Paz, Paz” e, no entanto, não existe paz”. (Jr 6, 14) (...)